Importância social e econômica da Caatinga será temática de evento da Fundaj

Celebrando o Dia Nacional da Caatinga, programação acontece nos próximos dias 27 e 28 de abril, no campus Gilberto Freyre da Fundaj

Ocupando aproximadamente 11% do território nacional, a Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro. Sua vegetação está presente nos nove estados nordestinos e faz parte da cultura social, econômica e também da educação da região. O bioma, porém, enfrenta desafios em sua preservação e valorização. Partindo disso, a Coordenação-Geral do Centro de Estudos em Dinâmicas Sociais e Territoriais (Cedist) da Diretoria de Pesquisas Sociais (Dipes), da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), lança o “Vivenciando a Caatinga”, um ciclo de debates para evidenciar e discutir a importância da vegetação. Objetivando comemorar o Dia Nacional da Caatinga, a programação acontecerá nos próximos dias 27 e 28 de abril, na Sala Calouste Gulbenkian, campus Gilberto Freyre da Fundaj, em Casa Forte.


“A Fundação realiza pesquisas sobre o meio ambiente e temos realizando ações educativas sobre o tema. Neste seminário traremos o potencial da Caatinga, esse bioma brasileiro”, destaca o presidente da Fundaj, Antônio Campos. A instituição, ressalta, sedia o Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Caatinga na Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), um espaço que congrega diversas políticas para o bioma, acrescentando que a Instituição publicou o “Atlas das Caatinga”, livro fruto de uma extensa pesquisa de quatro anos conduzida pela Fundação e a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). A publicação oferece uma abordagem inovadora, com vários mapas, imagens de satélite, gráficos, fotografias e levantamentos florísticos das áreas pesquisadas em 14 unidades de conservação de proteção integral da Administração Federal no Bioma Caatinga.


A Coordenadora do Cedist, Alexandrina Sobreira, ressalta que a preservação da Caatinga é possível, a partir do amplo entendimento sobre as bases do uso sustentável de seus recursos, ancorado na inclusão social de sua população. O seminário, adianta, será uma celebração ao bioma. “Vamos celebrar a Caatinga! A maioria das agendas voltadas para o bioma foca nos problemas que o mesmo apresenta, e a nossa proposta é enfatizar as riquezas da vegetação. Vamos pensar um pouco sobre as políticas públicas voltadas para ela, focando na biodiversidade, fonte de sustentação para famílias dependentes da mesma para sobreviver.”

Por meio de diálogos plurais, com representantes da área das pesquisas científicas, do terceiro setor e da ciência e tecnologia, o evento busca atrair formuladores de políticas, pessoas que trabalham em Unidades de Conservação e os demais interessados. Dividido em seis mesas de palestras e debates, abordará assuntos como as riquezas do bioma, sua preservação, educação contextualizada no semiárido e a economia circular. Na manhã do dia 27, a palestra inicial tratará sobre o conceito e as características dos Geoparques e, especificamente, sobre o Seridó, Geoparque Mundial da Unesco, conhecido como caso de sucesso, na relação meio ambiente e cultura.

“Como uma nova forma de gestão territorial, que contempla o desenvolvimento sustentável, apoiado nos patrimônios natural e cultural, os geoparques são considerados novos territórios do século XXI. Nesse contexto, há áreas que contemplam a nossa Caatinga e que possuem um Patrimônio Geológico de relevância internacional. O que é o caso do Seridó, que usaremos como estudo de caso”, explicou o palestrante, Dr. Marcos Nascimento (coordenador científico do Geoparque Seridó e professor do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN).

No mesmo dia, o público ainda acompanhará palestras sobre o potencial oleaginoso e medicinal da Caatinga, e sobre a participação do Instituto Nacional do Semiárido na preservação do bioma. Já o segundo dia de programação abordará a educação contextualizada no Semiárido, a produção de alimentos em meio a emergência climática e a economia circular no Brasil, que otimiza o uso de recursos naturais. Todos esses conteúdos serão ministrados de 9h às 17h, com pausas para refeições.

Para acessar as 100 vagas presenciais disponíveis, o público que desejar estar presente deve se inscrever por meio do link disponibilizado no Forms. E quem não comparecer presencialmente à programação, poderá acompanhar a mesma por sua transmissão online, no canal oficial da Fundaj no YouTube. Os inscritos previamente no evento terão direito à certificado.

Caatinga em risco constante
O assunto é urgente. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, cerca de 42% da cobertura original da Caatinga apresenta graves problemas de degradação ambiental. Isso acontece por conta de ações humanas como o desmatamento, a pecuária extensiva e a prática de queimadas. Questões que precisam ser visadas. As principais soluções apontadas para esse cenário são a adoção de medidas de combate ao desmatamento e a implementação das políticas de desenvolvimento sustentável.

Serviço:
Vivenciando a Caatinga
Datas: 27 e 28 de Abril de 2022
Horário: 9h às 17h
Local: Auditório Calouste Gulbenkian, no Campus Gilberto Freyre, da Fundação Joaquim Nabuco
Inscrições: encr.pw/fTWNV

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.