Polícia investiga caso de jovem dada como morta após parto que estaria viva durante velório em Tutoia

Familiares de uma jovem, identificada por Izale Vilar, de 18 anos,  denunciaram, na manhã desta sexta-feira (24), que ela foi dada como morta, após um procedimento de parto cesariana, no Hospital Municipal Lucas Veras, na cidade de Tutóia, a 324 km de São Luís. Durante o velório e enterro, a jovem apresentou lacrimejamento e suores pelo corpo, como se ainda estivesse com vida.

Depois de sepultada, ela foi desenterrada por populares, para uma nova avaliação médica. Teria sido constatado que a jovem ainda estava viva. O bebê está fora de perigo e foi entregue para os familiares.

As informações foram que o médico responsável pelo parto teria alegado que a moça havia morrido e chegou a expedir atestado de óbito.  Suspeita-se que teriam aplicado uma anestesia muito forte e, após o parto, ela não conseguiu reagir.

 

Na manhã desta sexta, na localidade Porto de Areia, em Tutóia, a jovem estava sendo velada e depois seguiu para o enterro. Horas depois, ela foi desenterrada por populares. Segundo eles, a jovem teria apresentado lacrimejamento e suores pelo corpo, como se ainda estivesse com vida.

Em seguida, o corpo foi levado para o hospital, onde foi confirmado que ela ainda estava viva, com sinais vitais. Novos atendimentos emergenciais foram realizados na vítima, mas ela terminou morrendo.

“Durante o velório, parece que algumas pessoas disseram que viram cair lágrima dos olhos, a temperatura não era fria e disseram que ela estava vida. Foram até o hospital novamente, foi mandado uma equipe médica, e parece que a moça estaria viva ainda, mas quando foi levada ao hospital veio realmente a óbito. A gente segue investigando”, disse o delegado Cristiano Morita.

O delegado assistente Alessandro Castro, da Superintendência de Polícia do Interior (SPCI), disse que o corpo foi encaminhado para o IML, com objetivo de determinar as causas do óbito. O inquérito já foi aberto e as pessoas envolvidas no caso serão ouvidas na próxima semana.

Atualização à 1h30 da madrugada deste sábado (25)

No fim da noite de sexta-feira (24) a Polícia Civil divulgou as seguintes informações sobre o caso:

No dia 23.01.2020, na cidade de Tutoia, Izale Vilar, 18 anos, deu entrada no Hospital Municipal Lucas Veras para o parto. Após duas horas, aproximadamente, o medico plantonista Dr. Felipe chamou a mãe de Izale, Maria Vilar, e lhe disse que devido a complicações no parto foi necessário uma anestesia geral, da qual a vitima não resistiu e veio a óbito.

A criança nasceu e esta bem. O corpo foi liberado para a família velar e enterrar, mas pela manha do dia 24 familiares perceberam que a temperatura do corpo era normal e que lagrimas estavam escorrendo dos seus olhos.

De imediato procuraram o Hospital novamente e uma equipe teria se deslocado ate a casa e, segundo familiares da vitima, teriam levado a moça ate o Hospital novamente, onde a mesma teria vindo a óbito.

Foi solicitado à família que não sepultasse a vitima, sendo disponibilizado um veiculo pela Prefeitura local para levar o corpo ao IML de São Luis, a fim de que se faça a respectiva pericia.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.