Cinema da Fundação promove Mostra Judaica

Com entrada gratuita, programação é de 5 e 6 de novembro e conta com exibição de documentários, o filme “O Judeu”, e debate com participação de Kátia Mesel e Jacques Ribemboim.

O Cinema da Fundação/Derby promove nos dias 5 e 6 de novembro (sábado e domingo) a Mostra Judaica. O evento é gratuito e a programação conta com um debate, a exibição de filmes. No primeiro dia, às 19h, será exibido o documentário “O Rochedo e a Estrela” (2011), com direção da cineasta Kátia Mesel. Ela aborda a história e expansão da comunidade judaica no Recife, ressaltando também a importância dos “cristãos novos” (judeus batizados à força pelo governo português) e da luta de Maurício de Nassau pela liberdade religiosa.

Às 20h30, será realizado debate com Kátia Mesel e o historiador e escritor Jacques Ribemboim, que é membro da comunidade judaica do Recife e escreveu livros como “Ensaios judaicos”, “Pernambuco de Fernão”, “Nordeste Independente”, “Manuel Correia de Andrade: um homem chamado Nordeste” (organizador) e “Uma Olinda Judaica:1537-1631 “(coautoria com José Alexandre Ribemboim), entre outros. “Recife e Nova Iorque são cidades irmãs historicamente, vamos mostrar e alargar esses laços”, disse Antônio Campos, presidente da Fundação Joaquim Nabuco, referindo-se à conexão histórica entre as duas cidades influenciadas diretamente pelos judeus e sua cultura.

“Os filmes da mostra e o debate entre a cineasta Kátia Mesel e o professor e historiador Jacques Ribemboim, ambos descendentes de judeus, é a maneira que a Fundação Joaquim Nabuco, por meio do Cinema da Fundação, oferece ao seu público para manter viva a memória e os estudos em torno da herança e da permanência da cultura judaica em Pernambuco, no Brasil e em Portugal”, explica o coordenador do Cinema da Fundação, Ernesto Barros.

No dia seguinte, o público poderá conferir, a partir das 19h, o curta-metragem ‘Marranos do Sertão”, que fala sobre uma boa parte dos brasileiros que são descendentes dos “cristão novos”, Muitos deles sempre mantiveram a velha fé e eram chamados pela alcunha depreciativa de marranos. Em muitas cidades brasileiras, especialmente no Nordeste, muitos dos seus descendentes, separados por séculos de sua própria cultura, estão redescobrindo o judaísmo.

Em seguida, será exibido o longa-metragem “O Judeu” (1996), de Tob Azulay, e que tem em seu elenco nomes como Felipe Pinheiro, Fernanda Torres, Cristina Aché e Mário Viegas. A obra de ficção mostra que o artista Antônio José da Silva, carioca de nascimento e de origem judaica, foi considerado o mais célebre autor teatral de Portugal do século 18. Depois de seu julgamento e de sua família pelo Tribunal do Santo Ofício, em Lisboa, Antônio José torna-se estudante da prestigiada Universidade de Coimbra, casa com uma cristã-nova, Leonor Maria de Carvalho, e cada vez faz mais sucesso com suas comédias. Só que sua prima Brites Eugénia denunciou o casal para as autoridades eclesiásticas por heresia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.