DÚVIDAS E TEORIAS

Elson M. Araújo

Somos seres pensantes, esse é nosso natural, e se pensamos, logo existimos como formulou René Descartes, filosofo francês do século XVI. Se existimos não surgimos do nada, fomos criados, somos uma obra inacabada de uma inteligência Suprema ainda muito além da nossa Infante compreensão.

Não existe criatura sem criador é o que se compreende da leitura de Tomás de Aquino, frade católico italiano do século XIII, escalado pela Igreja para cristianizar algumas teorias filosóficas que conflitavam com a revelação bíblica da criação do mundo.

Ao teorizar sobre a existência de Deus ele escreveu: para que o possível exista é necessário, portanto, que algo o faça existir. O teólogo católico parte do entendimento que se algo existe é porque participa o necessário. Este por sua vez, exige uma cadeia de causas que culmina no Necessário Absoluto, que segundo o santo, é Deus.

Tal premissa nos colocaria no canto em relação a qualquer dúvida quanto a origem do mundo; preocupação, ou melhor inquietação, que acompanha o homem desde o início do desenvolvimento do pensamento humano; mas não é bem assim. Ainda há quem questione as verdades reveladas pelo Criador aos escritores bíblicos. Até porque ao longo da história ocorreram várias traduções do livro sagrado até chegar ao que hoje nos é oferecido. Além dos mais, é quase certo que em algum momento, ao sair do hebraico e do aramaico, para o grego, latim e depois para outras línguas, as revelações originais do Criador podem ter sucumbido a alguma paixão humana e traduzidas com sentidos distintos dos da vontade do Pai.

Não parece injusto até hoje não sabemos com precisão de onde viemos, quem somos, o que estamos fazendo aqui, e pra onde vamos depois de tudo? O próprio homem na sua dimensão primitiva traça, ou pelo menos tenta traçar o caminho até o resultado do que hoje somos.

Será que tudo acabaria com a morte? A morte responderia a essas questões? Sobre esse tema são muitas as perguntas sem respostas, mas abundam estudos e teorias.

Muito já se escreveu sobre o mistério da criação humana. Textos belíssimos foram escritos no formato de tratados, ensaios, teorias, contos, profecias e poesias sobre a origem de tudo, porém nada conclusivo.

Não há dúvida que o manuscrito que reúne a maior quantidade de textos sobre nossa possível origem é a Bíblia, o livro mais influente de todos os tempos, escrita em torno da história do Deus único que criou o Céu, a Terra e tudo que nela há.

Muito antes dos escritores bíblicos de inspiração genesiana, os filósofos gregos. já teorizavam sobre a criação do mundo e consequentemente do homem. Há até quem afirme, que os princípios teóricos do Cristianismo teriam sua origem em Platão e Aristóteles. Não á toa, doutores da Igreja Católica como Santo Agostinho e depois Tomás de Aquino, para ficar nos mais famosos, foram convocados para, numa linguagem de hoje, fazer uma releitura dos filósofos gregos que dominavam o pensamento da época, e dentro do (im)possível cristianizá-los.

Tomás de Aquino, por exemplo, teria aceitado as ideias de Aristóteles – a quem ele se referia como “o Filósofo” – e sintetizou a filosofia aristotélica com os princípios do cristianismo.
Antes de Tomás de Aquino, Santo Agostinho, que tinha mais de 30 anos quando se converteu ao Cristianismo, na sua obra Confissões, escreveu:

Existimos porque fomos criados; mas não existimos antes de existir, portanto não podíamos ter criado a nós mesmos […]. O artista impõe uma forma à matéria que, já existindo, pode recebê-la: assim á a terra, a pedra, a madeira, o ouro ou qualquer outra coisa. Mas de onde proviria a matéria, se não tivesse criado? […] Que criatura existe, se não porque tu existes? Portanto, disseste uma palavra, e as coisas foram feitas. Com tua palavra as criaste (Conf., XI, 4, 6; 5, 7)
É dele, Agostinho, também:
Só o Ser é, sempre foi, e nunca deixará de ser, pois é imutável, imperecível, necessário e atemporal. Toda a criação só passou a ser quando o Ser criou, e quando o Ser quiser, ela deixará de ser, pois, assim como é da essência de Deus ser necessário, é da natureza da criação ser contingente
Muito parecido com um trecho Isaias onde ele diz que: o Senhor Deus criou os céus e os estendeu; formou a Terra e tudo que nela existe e deu vida e fôlego a todos os seus moradores. (Isa 42,5-17)

Afora a teoria da criação, revelada nos textos bíblicos, no campo da ciência teorias como a Big Bang, da Seleção Natural Cosmológica, a Teoria M, e do Universo Oscilante, tentam explicar a origem do universo/homem, mas apesar de todos os esforços a busca continua nos mares, nas profundezas da Terra e no espaço.

Busca-se a todo instante pistas sobre a origem nossa e de tudo que é, e há na Terra, mas como disse anteriormente, nenhuma delas ainda é conclusiva. As dúvidas persistem e as buscar por respostas continuam.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.