Carlos Brandão: novos bons frutos virão


Estamos nas frentes de trabalho com muita dedicação para que a transformação, iniciada pelo governador Flávio Dino, continue. Mais do que isso, nos empenharemos para imprimir avanços que possam dar aos maranhenses a certeza de que faremos diferença em suas vidas. Focaremos no desenvolvimento sustentável sempre visando à geração de emprego, de renda e de novas oportunidades, tendo como pilar a inovação. Sabemos de que capacitando nossa gente, investindo em ciência e tecnologia, oferecendo espaços para o crescimento, colheremos bons frutos em um futuro muito próximo.

Há uma energia muito positiva em torno do nosso Governo. Essa semana, durante a celebração pelos vinte anos de existência da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged), pude sentir isso de forma muito expressiva. Estávamos em um ambiente de inteira satisfação e de crença de que entregaremos muito.Atualmente, graças ao belo trabalho desempenhado pelos profissionais da Agência – e também pelos criadores -, o Maranhão possui o certificado de zona livre da febre aftosa com vacinação. Nos últimos anos, intensificamos as campanhas pelas vacinas na luta contra as epidemias causadas por zoonoses. Muitos de vocês, pelo menos de forma superficial, já ouviram falar na febre aftosa; uma doença contagiosa que oferece baixo risco às pessoas, mas que nos animais pode ser fatal. Por ser de fácil transmissão, um exemplar pode contaminar um rebanho. Prejuízo para a saúde animal e para a economia.

Tenho um carinho muito especial pela Aged, afinal, fui um dos personagens que trabalharam muito por sua criação, ao lado do então governador José Reinaldo Tavares. Recebemos uma justa reivindicação dos criadores e a colocamos em prática. Sou médico-veterinário e compreendo a importância dessa estruturação para o desenvolvimento de nosso campo. Hoje, como governador, irei fortalecer ainda mais a Agência para que, no caso específico do gado bovino, possamos buscar a certificação do estado como zona livre da febre aftosa sem vacinação. Até ano passado, no Brasil, apenas Santa Catarina possuía essa condição. Agora, 6 novos estados alcançaram esse novo patamar internacional: Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e parte do Amazonas e do Mato Grosso. Ao todo, são mais de 40 milhões de cabeças que deixam de ser vacinadas, o que corresponde a cerca de 20% do rebanho bovino brasileiro. Chegaremos lá!

As mulheres e os homens que fazem parte do quadro da Aged – assim como em tantos outros órgãos de nosso estado -, em um trabalho um tanto quanto silencioso para o público, contribuem sobremaneira para o nosso desenvolvimento, distribuídos estrategicamente em uma Unidade Central e 18 Unidades Regionais. Entendemos que, por vezes, em defesa da saúde animal, enfrentam dificuldades. Mas jamais deixam de cumprir sua missão, em uma demonstração de profissionalismo e de paixão pelo Maranhão.
Nosso Governo seguirá acreditando no potencial da inovação. Mas, principalmente, seguirá acreditando no potencial das pessoas que se entregam ao nosso estado.

*Governador do Maranhão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.