Fundaj coroa ano de importantes ações musicais com Semana da Música

Programação virtual contará com debates, palestras e apresentações que dialogam com uma série de iniciativas voltadas para a música realizadas durante 2021

Os últimos dias vêm sendo movimentados para a música pernambucana. Desde a concessão do título de “cidade da música” para o Recife pela Unesco até a celebração do dia da música, comemorado em 22 de novembro, em homenagem à Santa Cecília, padroeira dos músicos. A Fundação Joaquim Nabuco, que vem empenhando um trabalho sólido pela memória e fomento das tradições musicais locais, coroa este momento com a realização de sua primeira Semana da Música, com atividades marcadas para o próximo fim de semana, 26 e 27 de novembro. Transmissão pelo YouTube da Fundaj.

A Fundaj trouxe importantes ações voltadas ao segmento musical durante o ano, entre palestras e debates que giram em torno das mais diversas formas de se pensar e fazer música. A fonoteca da Instituição, a maior do norte-nordeste, será tema da palestra de abertura, realizada por Renato Phaelante, um dos idealizadores do projeto, e Lino Madureira, chefe do Centro de Documentação da Fundaj. O acervo foi fundado em 1981 e conta com cerca de 16 mil discos de 78 rotações, 6 mil LPs, 3 mil fitas K7, 4 mil CDs, além de materiais como igualmente importantes como peças gráficas e encartes.

“Realizar esse debate é realizar um dos pontos de difusão desse acervo. Ele pode ser um ponto de partida para diferentes trabalhos, desde artigos e teses, mas também para debates, que terão as discussões lastreadas por esses documentos. Enfatizamos justamente a preservação e a difusão de nosso acervo, mas que reflete uma prática mais ampla, pois ele também dialoga com outros acervos, as obras dialogam, em uma experiência que pode ser replicado para outros estados e regiões, assim como tratamento dele e as estratégias de preservação. Um debate sobre isso traz a tona todo esses aspectos e amplia a discussão”, explica Madureira.

Nesse sentido, ele relata como o acervo acaba sendo uma ferramenta para a realização de uma outra ação voltada para a música na Fundaj, o Concurso Nordestino do Frevo. Segundo ele, uma iniciativa como essa faz necessária a pesquisa e o aprofundamento no ritmo, algo que a fonoteca e os acervos da Fundaj acabam se tornando uma rica fonte para isso. “Para compor um frevo, tem que ouvir frevo e ouvir é saber quem compôs, quem fez os arranjos, em que contexto sócio-político. Então o debate sobre o acervo também é importante nesse sentido”, pontua Lino.

No mesmo dia da abertura, o ritmo pernambucano e carnavalesco será o centro da discussão no debate “A influência do frevo na identidade cultural do povo pernambucano”, com Ciema Mello, antropóloga do Museu do Homem do Nordeste e o historiador Leonardo Dantas, com mediação de José Teles, jornalista da área de cultura. Já no sábado, será realizado o debate Ensino e prática de música nas escolas, com mediação de Edna Silva, Coordenadora de Ações Educativas e Comunitárias do Museu do Homem do Nordeste e participação dos educadores Bruno César (Tio Bruninho), Clenio Lima e José Amaro. A programação será encerrada com a apresentação do grupo musical Pife Urbano.

A Semana da Música acaba por celebrar um ano de importantes iniciativas da Fundaj para o cenário musical, incluindo o já citado Concurso Nordestino do Frevo, o encerramento de mais um ciclo no processo de digitalização da fonoteca, além da disponibilização virtual de materiais audiovisuais como o documentário a Poesia de Edgard Moraes. “As nossas expectativas são de que repliquemos e ampliemos essas ações, em especial aquelas que instrumentalizam e capacitam as pessoas, iniciativas que vão dialogar com o que já fazemos e também impactam toda a academia”, conclui Madureira.

*Semana da Música*

26 de novembro

17h às 18h
Palestra: A importância do acervo fonográfico da Fundaj para a memória da música pernambucana
Palestrante: Renato Phaelante – ex-coordenador da Fonoteca da Fundaj
Mediador: Lino Madureira – chefe do Centro de Documentação da Fundaj

18h15 às 19h15
Debate: A influência do frevo na identidade cultural do povo pernambucano
Debatedores: Leonardo Dantas, historiador, Ciema Mello, antropóloga do Museu do Homem do Nordeste, e maestro Marco Cesar
Mediador: José Teles, jornalista da área de cultura

27 de novembro

10h às 11h
Debate: Ensino e prática de música nas escolas
Debatedores: Bruno César (Tio Bruninho), Clenio Lima e José Amaro, educadores musicais
Mediadora: Edna Silva – Coordenadora de Ações Educativas e Comunitárias do Museu do Homem do Nordeste

11h30 às 12h
Apresentação de encerramento
Pife Urbano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.